Explicando erros que nada importam no contexto

Nao vou mais me importar com acento circuflexo e agudo, til, trema e ate mesmo cedilha, nao tenho aqui um teclado apropriado para isso. Me desculpem professores e a lingua portuguesa e brasileira.

18.4.10

Uma carta escrita, publicada e não enviada a minha querida e eterna amada

Poderia vomitar tudo na sua cara, cuspir o restinho da bilis e ainda no final dar altas gargalhadas, pois nunca se sabe quando vou estar de bom humor não é? E eu ainda poderia até inventar um ditado novo: "a vingança tarda, mas não falha". O mais engraçado é que você cuspiu tão alto pra cima, que caiu na sua testa como se caísse uma bexiga cheia d'água do vigéssimo andar, foi lindo, vibrei como uma criança que jamais tivesse visto algo que nunca viu. Mas não, não fiz nada disso.

Então cheguei tão perto da Luz, que percebi que tudo isso seria desnecessário. Desnecessário porque não estaria ao seu lado pra ver a sua cara, mas me arrependo amargamente de não estar ao seu lado agora, por que minha forma de vingança te quebrou, partiu em sutis pedaços alegremente masoquista, pagaria tudo pra ver a sua cara agora. Sua cara de ódio misturada com entusiasmo e satisfação, querendo dizer que me ama.

Só me resta agora, o triunfo da sua presença nesse lugar que tem um formato único e sob medida.

Uma carta escrita, publicada e não enviada a minha querida e eterna amada.

3 comments:

Rogue said...

Cartas publicadas e não enviadas são as melhores.

Alexandre said...

Ah, escreveu pra mim e não mandou, né?...humpf

Patrícia de Sá said...

Rara publicação tua que não simpatizo... Coisa de energia.